Museu Hermitage

As belezas da antiga capital do império russo

O Thales leu uma vez a seguinte frase: “Existem museus, existem grandes museus e existe o Hermitage”.

O Hermitage é um complexo de cinco prédios e todos eles estão abertos à visitação. Veja só: precisávamos de pelo menos uma semana para conhecer um pouco de todo o museu e tínhamos somente esse dia de domingo (claro que tínhamos mais, mas aí as outras atrações ficariam prejudicadas!).

Fernanda em frente ao Museu Hermitage

Analisamos o mapa do museu e tentamos otimizar a visita, parando mais tempo nas coisas mais imperdíveis de tudo que é imperdível lá. A gente roda o dia todo e acaba nem vendo um terço do lugar. Nosso último mega-museu foi o Louvre, onde entramos às 9h e saímos às 20h, com direito a almoço lá dentro e tudo.

Mapa do Museu Hermitage

Para se ter uma ideia do tamanho do Hermitage, são mais de mil salas com exposições. Há uma sala só com obras do Picasso, vários quadros do Monet, do Matisse, Rembrandt entre tantos outros famosos (aliás, recomendo bastante o documentário ‘Power of Art’ do Simon Schama, que disseca alguns mestres da pintura e escultura e para quem gosta desse tipo de arte é um prato cheio).

Museu Hermitage

Museu Hermitage

Museu Hermitage

Uma coisa importante: as filas são bem longas, então para não perder horas na fila enquanto poderia estar passeando pelo museu, compre o voucher dos ingressos pela internet. Bem na entrada principal existe uma cabine para trocar os ingressos comprados na internet e poder entrar sem muita demora no Hermitage. Fizemos isso e foi ótimo!

Ficamos no museu somente até às 16h, hora do fechamento no domingo. Eu achei isso ridículo porque era verão e a noite chega depois das 22h! Tudo bem que até às dez não dá, mas pelo menos até umas sete, não?

Quatro da tarde, o sol brilhando e nós saindo do Hermitage, tantas horas ainda para aproveitar… Fomos caminhar pela avenida mais famosa de São Petersburgo, Nevsky Prospekt. Larga e bem movimentada, descobre-se, ao caminhar, que a cidade é enorme e muito importante para o povo russo. Ela era, inclusive, a capital do império russo antes da revolução comunista de 1917, quando Lenin e sua turma transferiram a capital para Moscou. Há um livro sobre essa avenida, ‘Avenida Niévski‘, do Nikolai Gógol (Cosac Naify) que merece ser lido, antes ou depois de conhecer o marco.

Avenida Nevsky Prospekt de São Petersburgo

Avenida Nevsky Prospekt de São Petersburgo

Tem muita coisa para ver e conhecer nessa grande avenida. Lojas de grife, cafés, igrejas, estações de metrô… Fomos caminhando e curtindo as belezas até chegarmos à Igreja do Sangue Derramado. Apreciamos a bela vista da igreja somente do lado de fora, porque iríamos conhecer o interior no dia seguinte.

Igreja do Sangue Derramado

Fê e Thales em frente a Igreja do Sangue Derramado

Passeamos pelos arredores, fomos jantar para depois descansar umas 10h da noite com o sol se pondo (muito estranho ir dormir com um sol de cinco da tarde…).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *