Mapa de Auschwitz e Birkenau

As cicatrizes da Cracóvia: Auschwitz e Birkenau

Dia de conhecer os campos de concentração nazista Auschwitz e Birkenau.

Existe toda uma estrutura para fazer a visita guiada aos museus, porque a área de Auschwitz e Birkenau foi declarada Patrimônio Mundial pela Unesco e os dois campos de concentração formam o Muzeum Oswiecim-Brzezinka. Mas como gostamos de parar onde bem entendemos, ficar o tempo que achamos que devemos ficar e tirar fotos sem pressa, descobrimos que era possível fazer a visita avulsos, mas com alguns cuidados e observações.

Primeiro, se você vai com um grupo guiado pode entrar em Auschwitz a qualquer hora do dia, mas se decide ir sozinho a entrada é permitida somente até às 10h e depois das 15h. Já Birkenau não tem essa restrição com horário de grupo ou avulso.

Só que Auschwitz e Birkenau estão localizados a 1h30 de ônibus da Cracóvia, 55 km a oeste na pequena cidade de Oswiecim e o primeiro ônibus direto para o museu sai às 8h25. Se você pegar um ônibus mais cedo para a cidade de Oswiecim, vai ter que pegar outro ônibus que passe em frente a Auschwitz (e não sabíamos os horários). Portanto, esperamos o ônibus das 8h25, mesmo com pouquíssima margem de manobra. Ele demorou 1h30 para chegar e chegou na entrada do museu às 9h57! Saímos correndo nós e outros passageiros rumo à entrada do museu para conseguirmos entrar. Entramos em cima da hora, mas se o ônibus atrasa uns minutos (já pensou se fura um pneu ou entra aquela gorda que não consegue passar pela porta?), teríamos que ir a Birkenau primeiro e depois voltar para Auschwitz.

Birkenau fica a 3 km de Auschwitz; há um ônibus gratuito que conecta os dois campos. Um outro pequeno detalhe a ser observado é que o último ônibus que sai de frente de Birkenau é às 17h (o campo fecha às 18h no verão). Pegamos este e o de volta à Cracóvia às 17h50, em frente a Auschwitz. É preciso ficar atento aos horários, porque se perder a conexão de Birkenau porque quis ficar até o fechamento, a opção é andar 3 km até Auschwitz para pegar o último ônibus para a Cracóvia que sai às 19h (ou fazer 3 km em 15 minutos para pegar o penúltimo, que sai às 18h20!). Se não der, resta ir até Oswiecim e lá pegar um trem para a Cracóvia.

Valeu muito a pena irmos avulsos, aproveitamos muito. Compramos o guia em português e pudemos ler e ver tudo que queríamos no tempo que queríamos. Mas se você é uma pessoa que não gosta muito dessas aventuras, a opção é contratar uma visita guiada ou alugar um carro para ir.

Agora falando do passeio, Auschwitz e Birkenau impressionam, mas nenhum livro ou filme pode passar a sensação de estar num lugar histórico como esse. É impressionante como funcionava, literalmente, a fábrica de matar pessoas.

Auschwitz tem os prédios e estruturas bem preservadas e é um lugar menor. Já de cara o famoso portão principal intacto com a frase ‘O trabalho liberta’, juntamente com a vedação de arame farpado já mostra onde estamos entrando. Podemos visitar uma parte dos alojamentos dos prisioneiros, o ‘pavilhão da morte’, a câmara de gás e o crematório. Nos blocos está instalada uma exposição sobre a história de Auschwitz e também outras exposições nacionais.

Portão de Auschwitz

Auschwitz

Auschwitz

Auschwitz
Exposição sobre a história de Auschwitz e alojamentos dos prisioneiros
Auschwitz
Insígnias usadas pleos prisioneiros em suas roupas – um padrão enviado para os campos de concentração pelas autoridades da SS (polícia nazista)
Auschwitz
Câmara de gás de Auschwitz

Auschwitz

Birkenau é gigante e tem mais coisas destruídas. Mesmo assim é possível ver as ruínas dos crematórios e das câmaras de gás, o lago cheio de cinzas humanas, as condições terríveis nos barracões dos prisioneiros e o desembarque da estação por onde os prisioneiros chegavam de trem.

Birkenau

Birkenau
Desembarque da estação de Birkenau por onde os prisioneiros chegavam de trem
Birkenau
Lago com as cinzas humanas e as ruínas do crematório de Birkenau
Birkenau
Ruínas da câmara de gás de Birkenau
Birkenau
Barracões dos prisioneiros de Birkenau

Tem muita coisa mesmo para ver. Eu recomendo a visita.

Chegamos de volta a Cracóvia no começo da noite, mas como sempre, o sol brilhando. Jantamos, andamos um pouco pela praça e cama! A viagem ainda prometia muitas surpresas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *