Rio Guamá

Derretendo no norte

Voltamos ao Forte do Presépio para conhecer o museu e a Casa das Onze Janelas, pois o horário de visitação das duas atrações aos finais de semana é das 10h às 14h.

No Museu do Forte vimos canhões, munições, escavações arqueológicas e um pouco da história de Belém. Adorei andar pelos muros da antiga fortificação tendo a vista da Baía do Guajará acalentando o espírito.

Vista do Museu do Forte de Belém

Na Casa das Onze Janelas vimos as exposições temporárias e o acervo permanente com obras de Alfredo Volpi, Lasar Segall, Tarsila do Amaral, entre outros. Gostei das exposições, embora não tenhamos o hábito, no Brasil, de frequentar muito os museus (vai ver porque as obras não são tão canônicas). Precisamos mudar isso!

Me chamou muito a atenção a maneira como as obras são armazenadas. Todo o cuidado e trabalho são explicados passo a passo; não sabia como funcionava e achei bem interessante! Afinal, organização e arrumação são coisas que eu gosto bastante e não importa onde vamos: sempre é bom ver novas ideias.

Tentamos visitar a Catedral da Sé, mas já estava fechada (na verdade, estava fechando e a mulher que trabalha lá meio que fechou a porta na nossa cara). Voltamos depois das 16h e conseguimos tirar umas fotinhos. Foi somente para conhecer mesmo, porque não tem nada de espetacular para ser visto. Como muitas igrejas de Ouro Preto, a fachada é muito mais bonita do que o interior. Por que será?

Catedral da Sé de Belém

Partimos para o Mangal das Garças; um lugar onde dezenas de garças, guarás e lagartos circulam soltos bem pertinho de nós, visitantes.

Mangal das Garças

Lagarto do Mangal das Garças

Ficamos andando pelo parque, que não é muito grande e subimos no farol de 47 m para ver a vista da cidade. Às outras atrações – borboletário, viveiro de pássaros, memorial da navegação, além de um restaurante lotado – nós não fomos.  Um lugar bem bonito que vale a pena conhecer.

Belém

Passamos pelo Portal da Amazônia, que é uma avenida de 2 km com calçadão e quiosques de frente para o Rio Guamá. Não ficamos muito, paramos para curtir a vista, mas me pareceu um lugar bem agradável para ficar batendo papo sentindo uma brisa gostosa naquele calorão de Belém!

Portal da Amazônia de Belém

Paramos na Basílica de Nazaré, local onde termina a procissão do Círio de Nazaré. Vimos a imagem de Nossa Senhora de Nazaré datada de 1700 e muitas fitinhas de pedidos dos fiéis amarradas na praça em frente.

Basílica de Nazaré

Fim de tarde, hora da parada no Boteco das Onze para tomar deliciosas cervejas, comer os deliciosos bolinhos de pirarucu e ver o pôr do sol.

Pôr do sol em Belém

E à noite fomos jantar no restaurante Remanso do Peixe para experimentar pratos regionais, hummmm……..

Não me lembro o nome do prato que comemos (mas sei que o nome do peixe era filhote), mas posso recomendar porque estava tudo delicioso! Isso eu lembro! Voltamos para a pousada bem cheios de peixe, cerveja, cachaça de jambu e tacacá!

Confira o vídeo completo desse dia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *